top of page

Certificações: um auxílio para sua carreira - parte 2

por Davi Moura


Depois do extenso grupo dos “C” (CPA-10/20, CEA, CGA, CNPI e CFA), citado no último texto, ainda existem certificações – nacionais e internacionais – bastante interessantes. Além disso, quando olhamos o crescimento futuro do mercado de capitais e da indústria de fundos de investimento, é possível dizer que muitas certificações, que parecem bastante específicas hoje, irão se popularizar e que novas provas serão inventadas e/ou totalmente remodeladas.


Diretamente ligada ao aquecimento e popularização do mercado de investimentos, a mais comentada certificação é a da ANCORD, a qual qualifica o profissional para ser Agente Autônomo de Investimento (AAI). O AAI trabalha, “basicamente", na captação de clientes para uma corretora (são “representantes” da corretora) e na distribuição dos melhores produtos de investimento (fundos, renda fixa, previdência...) de acordo com o perfil do comprador, recebendo uma taxa acordada por esses serviços. Vale dizer que a certificação é necessária para a profissão, devendo o aprovado se credenciar à Comissão de Valores Imobiliários (CVM) e depois associar-se a um escritório de agentes autônomos ou a uma corretora em até um ano.


Outra distinção importante diz respeito ao código de ética da ANCORD sobre análise e tomada de decisão de investimentos, que menciona que o profissional não pode tomar as decisões de investimento pelo cliente, nem recomendar investimentos (atribuições dos analistas CNPI ou CFA), podendo apenas auxiliar na tomada de decisão.


O conteúdo da prova aborda temas ligados a investimentos, relacionados a: noções de economia sobre o Sistema Financeiro Nacional (SFN), conceitos relacionados a risco nos mercados de renda fixa e renda variável, tributação dos produtos de investimento disponíveis e o conhecimento sobre o aspecto regulatório da CVM. Ainda de acordo com a CVM, o número desses profissionais certificados subiu 17% apenas no ano de 2018, chegando a 7.745 pessoas que atendem a um mercado cada vez maior de clientes finais, isto é, há muita oportunidade de carreira.


Uma certificação pouco conhecida é o Programa de Qualificação Operacional (PQO). Diferentemente das outras, ela é oferecida pela Bolsa do Brasil, a B3. O objetivo é criar um ecossistema de boa operacionalização da B3. Isto é, como nós, os investidores comuns, não fazemos contato direto com o sistema da B3, esse contato é intermediado por agentes, como as corretoras. Dessa forma, é preciso que os profissionais dessas instituições sejam capazes de proceder corretamente em diferentes situações. Em suma, é o requisito para atuar legalmente nos mercados gerenciados pela B3. Em relação à prova, não é necessário ter formação prévia. Entre os assuntos cobrados, é preciso um entendimento sobre o sistema financeiro internacional, tributação, renda fixa e renda variável, além do conhecimento de matemática financeira. Além disso, são vários tipos de prova, relacionados às áreas de risco, backoffice, comercial, entre outras.


Partindo para o hall de certificações reconhecidas internacionalmente, além do já mencionado CFA, existem o CFP, o FRM e o CAIA.


O CFP (Certified Financial Planner) é um certificado que abrange tanto o mercado bancário quanto o mercado de capitais, ou seja, o profissional pode atuar em muitas frentes, mas a principal diz respeito aos serviços de consultoria. O indivíduo certificado pode estruturar tanto questões ligadas ao orçamento familiar, quanto investimentos e planejamento sucessório. Pela elevada gama de serviços, esse profissional é bastante requisitado nos segmentos de private dos bancos. Em suma, ele é o planejador financeiro pessoal.


Além disso, não se engane, o certificado é reconhecido globalmente, mas cada país possui tópicos de prova específicos e para prestar o exame é necessário comprovar 3 anos de experiência prévia no mercado financeiro e ter curso superior. Em relação aos assuntos cobrados, há ênfase em: planejamento financeiro e ética, planejamento de aposentadoria, gestão de riscos e seguros e gestão de investimentos. Por fim, vale frisar que a CVM não requer licença para aprovar o trabalho de um planejador financeiro, portanto a certificação é obtida de forma voluntária.


Já o FRM (Financial Risk Manager) certifica o profissional para fazer o gerenciamento de risco financeiro (agrega o risco operacional, o de crédito, o de mercado e o de liquidez) na instituição em que atua. Com novos e complicados produtos (derivativos, futuros…) sendo desenvolvidos no mercado, é importante que as instituições coloquem bastante atenção em suas áreas de risco, nas quais o profissional entra como gestor. Entre as atribuições do perito, temos: planejar operações de trading, estruturar procedimentos para cada processo, desenvolvimento de relatórios de risco e mais.


Em relação à prova, é necessário passar por 2 níveis, somando 180 questões de múltipla escolha, sobre os temas: gestão e modelos de risco, análise quantitativa, gestão de investimentos e atualidades em mercados financeiros. Por fim, o FRM exige comprovação de mais 2 anos de trabalho integral em finanças para completar a certificação.


O CAIA (Chartered Alternative Investment Analyst), por sua vez, é o certificado que indica uma especialização em investimentos alternativos, ou seja, produtos não necessariamente ligados ao mercado secundário, que são reunidos nas seguintes classes: Real Estate (setor imobiliário), Private Equity, Commodities, Hedge Funds e Managed Futures. Mesmo sendo menos conhecida no Brasil, essa certificação carrega bastante credibilidade, principalmente no exterior. Em relação à prova, ela possui 2 níveis, somando 300 questões de múltipla escolha (ouch!) e 3 questões dissertativas. O tamanho dá uma dimensão da quantidade de assuntos, os quais, além das classes citadas acima, reúnem: ética profissional, produtos estruturados, manejo do risco, manejo do portfólio e asset allocation. A diferença para o conhecido CFA consiste, basicamente, no foco em outras opções que não ações, ou seja, apesar do direcionamento diferente, há uma complementaridade.


Portanto, é difícil não olhar para certificações quando se observa a competitividade do mercado atual. Muito embora a experiência seja o fundamental, a evolução da carreira passa por essa fase de conquista de conhecimentos técnicos e, ainda, algumas posições de destaque que prescindem de uma certificação.


Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page